Escolher Menu

Últimas Notícias

CONCURSOS

POLÍTICA

POLICIAL

GERAL

TRÂNSITO

» » » Vereador Adonilson defende trabalhadores da Segurança Pública


PINHEIROFOTO 15:48


O vereador professor Adonilson(PCdoB) foi procurado pelo representante dos mais de 250 funcionários que prestam serviço para a empresa Civiliza que mantinha contrato com o Governo do Estado  na gestão passada. 

Os trabalhadores são monitores que exercem as atividades  na Central de Custódia de Presos de Justiça(CCPJ) e denunciam que por  aprovação  no Seletivo do Estado estão ameaçados de serem demitidos por justa causa.

Na última sexta-feira um reunião tensa entre a empresa e os funcionários no auditório da Delegacia Regional de Segurança,  convocada pela Civiliza, tentou concretizar a demissão dos funcionários com a assinatura das rescisões dos Contratos de Trabalho por aviso prévio e justa causa.

A tentativa de levar as demissões adiante,  acompanhada  pelo professor Adonilson, o advogado do gabinete do vereador, George Moraes e a imprensa,  foi rejeitada pela maioria dos funcionários que passou no seletivo e apenas efetivada para os trabalhadores que não foram aprovados no certame.

 O advogado George Moraes pediu antes de ser realizada a reunião, uma Solicitação de Mediação de Conflito protocolada no Ministério Público do Trabalho de Imperatriz. O representante da empresa Fabiano Silva foi orientado  pelo advogado George Moraes e o vereador Adonilson de que seria mais prudente deixar para encaminhar as rescisões depois da mediação com a participação do Ministério Público do Trabalho. “É Imprudente fazer as demissões já que esta será a segunda reunião de mediação de conflito e ficou pendente para a empresa a apresentação de uma série de documentos”, explicou o advogado do gabinete do vereador.

Adonilson disse por sua vez disse que a Comissão de Direito do Trabalho e a Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal de Imperatriz estão acompanhando o desdobramento da situação. Ainda de acordo com o vereador o pedido de urgência  para a realização da Mediação de Conflito no Ministério Público anula qualquer decisão a ser tomada na reunião convocada pela empresa. “Nenhum direito será violado e portanto quem vai resolver a questão é o Ministério Público do Trabalho”.


O monitor de ressocialização Nonato  Chaves disse que os trabalhadores querem apenas garantir o recebimento dos direitos trabalhistas. “A empresa quer se aproveitar de uma situação que não existe, passamos num seletivo e em momento algum prejudicamos a empresa ou deixamos de realizar a contento as nossas atividades”,  desabafou o funcionário. (Mozart Magalhães / Gabinete)

Nenhum comentário

Leave a Reply