.

.

Vereador Adhemar Freitas Jr. fala sobre serviço de táxi lotação.


Não sou contra o serviço de táxi lotação, mas, o taxi lotação é um tipo de transporte público e deve ser tratado como tal em Imperatriz.”

A Comissão Permanente de Constituição, Justiça e Redação da Câmara de vereadores de Imperatriz por meio do vice-presidente e relator, vereador Adhemar Freitas Jr, dá parecer contrário à aprovação da lei nº 03/2017, de autoria do vereador Manoel Conceição de Almeida “Bebé taxista”.

A comissão acompanha o voto do relator da matéria em não acatarem sua constitucionalidade. O projeto de lei altera o paragrafa único do art. 10 da lei nº 319/83 que “fixa o número e condições de obtenção de alvará de licença para táxi e da outras providencias”.

O vereador Bebé taxista propõe o projeto de lei 03/2017, com o objetivo de assegurar aos taxistas, o direito de coletarem um (01), ou mais passageiros nos pontos de origem e rotativos, assim como, em qualquer ponto da cidade, exceto nos pontos de ônibus e mototáxi.

Os locais de coleta de passageiros devem ser definidos pelo órgão municipal e o sindicato da categoria. O valor a ser cobrado fica a ser definido entre profissional e o passageiro. 

O legislador Adhemar Freitas Jr. diz que é a favor do taxista, mas, um táxi é transporte público e deve ser tratado como tal seguindo as regras, itinerário e tarifa fixa. E quem tem competência para a regulamentação é o município.

As leis municipais precisam ser votadas com responsabilidades, “dá um voto no calor da emoção podemos prejudicar outras classes envolvidas, do cadeirante, da meia passagem do estudante, passe livre para idosos e agentes comunitários de saúde lei que foi aprovada por esta casa”. Afirma o vereador.

A tendência nacional é a luta por passe livre para estudantes e aqui em Imperatriz, estamos acabando com o que já existe, precisamos pensar em transporte coletivo e não simplesmente no transporte de táxi lotação de forma isolada, não adianta querer fazer uma análise restrita de uma matéria. 

problema é complexo e deve ser tratado com a complexidade que tem. Como alternativa viável é juntar prefeitura, câmara e as classes interessadas: taxistas, táxi lotação, empresas de ônibus e montar um projeto de transporte público coletivo para Imperatriz, pensando no passageiro comum e naquele que não tem condições de pagar e que durante anos conquistou através de lutas o direito de meia passagem ou passe livre. 

Foi o que defendeu em sua fala o relator da matéria vereador Adhemar Freitas Jr. O projeto foi aprovado em plenário pela maioria dos vereadores e encaminhado para a Comissão de Obras e Serviços Públicos para ser analisado a cerca da importância do transporte público, havendo qualquer alteração no conteúdo da matéria retorna para Comissão Permanente de Constituição, Justiça e Redação para nova apreciação da legalidade.