As Polícias Federal, Civil e Militar em ação conjunta, resulta na prisão de policial reformado por crime de homicídio


A Secretaria de Segurança Pública do Maranhão apresentou na manhã desta segunda-feira (22), por volta das 10:00h, no Auditório Leofredo Ramos, o militar reformado Francisco da Silva Sousa, conhecido por “Da Silva”, 58 anos. O acusado é suspeito de envolvimento na prática do homicídio, do ambientalista Raimundo dos Santos Rodrigues, popularmente conhecido como “Dos Santos”. O acusado Da Silva, ainda tentou contra a vida da esposa do ambientalista, Maria da Conceição Chaves Lima.

Na coletiva de imprensa foram repassadas as ações acerca da prisão do militar reformado “DA Silva”, pelo crime de homicídio e tentativa de homicídio. A sua prisão aconteceu por conta de um cumprimento de Mandado de Prisão Preventiva, expedido pelo Juiz Federal da Segunda Vara Criminal, da Seção Judiciária do Maranhão. A investigação acerca do crime efetivou-se por meio da Polícia Federal, e a prisão de forma integrada entre as Polícias Civil, por intermédio da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (SEIC), e Polícia Militar, pela DIAE; resultando na sua prisão, na cidade de Açailândia.

De acordo com as informações repassadas na coletiva, o crime aconteceu no dia 25 de agosto de 2015, por volta das 17:00h, onde o ambientalista Raimundo dos Santos Rodrigues foi vítima de homicídio. Ele foi morto por meio de arma de fogo e ainda a golpes de arma branca. A ação criminosa foi realizada nas imediações da sede da fazenda Santa Bárbara, situada no povoado Rio das Onças, Zona rural do Município de Buriticupu-MA.

O casal estava abrigado na área da Reserva Biológica do Gurupi, sob a administração da Autarquia Federal Icmbio (Instituto Chico Mendes). Na ocasião da morte do ambientalista, a vítima estaria acompanhada de sua cônjuge, Maria da Conceição Chaves Lima, que também foi alvejada por projéteis de arma de fogo, mas a mesma teria resistido aos disparos. As vítimas, desde o ano de 2013, estavam atuando como conselheiros consultivos da Reserva Biológica do Gurupi. Os crimes foram investigados, como advindos de conflitos agrários, envolvendo fazendeiros e madeireiros da região do município de Buriticupu. Durante as investigações foi descoberto, que o militar reformado Francisco da Silva Sousa, o “Da Silva” é considerado o líder de um grupo de extermínio, que age na região. As investigações continuarão, no sentido de descobrir os outros envolvidos nesta ação criminosa.

Ação criminosa advindo de conflitos agrários

Durante a coletiva, o delegado da Polícia federal, Júlio Sombra ponderou acerca do crime, que o crime teve motivação, por causa de conflitos por terras “As informações dão conta, que um fazendeiro da região, seria o mandante do crime. O fazendeiro teria contratado o Francisco da Silva Sousa, o “Da Silva”, para executar o ambientalista Raimundo dos Santos Rodrigues, o “Dos Santos”. O criminoso está sendo investigado ainda, pela prática de outro homicídio na região”, finalizou o delegado da Policia Federal.

Presente também, o Delegado Geral de Polícia Civil, Lawrence Melo, indagou, que “O ambientalista estava de certa forma, incomodando as ações dos fazendeiros na região. O Dos Santos estava sendo visto pelos fazendeiros, como uma pessoa que estava atrapalhando as disputas de terras na região. O Secretário de Segurança Pública Jefferson Portela ressaltou, que “O trabalho de investigação da Polícia Federal e a prisão por meio da Seic e da Polícia Militar foi realizado no combate às ações criminosas na região”. Após a as investigações, o autor foi descoberto e cumprido o Mandado de Prisão pela 2ª Vara por meio da Instância Federal”, concluiu o secretário de segurança.

O Superintendente Estadual de Investigações Criminais, o Delegado Tiago Bardal finalizou informando, que o criminoso estava sendo investigado pelos crimes descritos, sendo então identificado e preso em uma ação conjunta envolvendo a SEIC e a Policia Militar. Após ser preso, o acusado foi encaminhado ao Comando Geral da PMMA onde permanecerá à disposição da Justiça.