Governo constrói hospitais em Carolina e Balsas e fortalece saúde na região sul do Maranhão


As cidades de Carolina e Balsas, localizadas no Sul do Maranhão, vão receber um reforço importante na saúde pública. O Governo do Estado, por meio das Secretarias de Estado da Infraestrutura (Sinfra) e da Saúde (SES), está construindo um hospital em cada cidade. 

Segundo o secretário da Sinfra, Clayton Noleto, o objetivo é garantir mais qualidade no atendimento aos 24 municípios da região. “São ações como esta que estão garantindo a melhoria da qualidade na prestação dos serviços de saúde à população e na região Sul não é diferente, as novas estruturas irão garantir mais médicos, mais atendimentos e ajudarão as gestões municipais a cuidar da comunidade”, destacou Clayton Noleto.

O secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, explica que o Governo trabalha na perspectiva de fortalecimento de uma rede de atendimento bem distribuída. “Temos redimensionado a rede a partir das demandas regionais, buscando uma distribuição mais adequada de nossas unidades de saúde. A região sul possuía um déficit histórico, que está sendo corrigido com o reforço que chega a partir de novos hospitais, o que representa mais assistência à população e à região”, comentou Lula.

Em Carolina, as obras iniciaram em março e a estimativa de entrega é para o primeiro semestre de 2018. O investimento do Tesouro Estadual é de R$ 7.929.266,35. Serão construídos diversos espaços como recepção, lavanderia, área de armazenagem, passeio, jardim, lanchonete e o projeto ainda prevê o espaço para uma possível ampliação. 

De acordo com a secretária adjunta de Assistência em Saúde da SES, Teófila Monteiro, o hospital, além de internação, também será maternidade. “A regional nos solicitou e pensamos o hospital para atender ao perfil epidemiológico da região e para atender a outro grande gargalo da população daquela área, que é o fato de não ter uma maternidade”, afirmou.

Os moradores estão contentes com a iniciativa. “É uma obra muito importante para nós porque vai trazer melhorias no atendimento. Só temos um hospital na cidade que não atende à demanda porque Carolina responde por outras cidades próximas”, disse o marceneiro Josivaldo Pereira.

Já em Balsas, o investimento de R$ 14.222.666,53 vai garantir uma estrutura com 50 leitos, dentre os quais 20 obstétricos, 13 de clínica médica, 13 de pediatria, quatro PPP (pré-parto, parto e puerpério), seis UCINCo (unidade semi-intensiva, destinada aos recém-nascidos com risco médio de complicações e que necessitam de assistência contínua) e quatro UCINCa (Unidade de Cuidados Intermediários Canguru). A unidade funcionará com leitos clínicos regulados, urgência obstétrica (risco habitual), Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Adulto, pediatria, clínica médica, anestesiologia, enfermagem, nutrição, fisioterapia, serviço social, assim como terapeuta ocupacional, psicólogo e fonoaudiólogo. 

A estrutura é composta por auditório, cinco consultórios, entrada de emergência, obstetrícia, dois centros cirúrgicos, salas de pré-parto; parto; gesso; curativo; inalação; observação adulto e infantil, e de exames: como raio x, ultrassom, mamografia, tomografia computadorizada, coleta de sangue, laboratório e endoscopia.

O Serviço de Apoio Diagnóstico e Tratamento (SADT) vai disponibilizar atendimento na área de análises clínicas, exames de radiologia, ultrassonografia 24 horas, mamografia, endoscopia, eletrocardiograma, tomografia, agência transfusional, além de cirurgião geral 24 horas por dia.

A unidade está sendo construída em uma área de 4 mil m², com capacidade para atendimento de média e alta complexidade, com previsão de conclusão ainda este ano. Novidade que tem agradado aos moradores, como a agente de saúde Maria Rodrigues. “A cidade está de parabéns por esse investimento, que é bom para toda a cidade. Eu trabalho na área e vejo o quanto precisávamos de um hospital como este”, avaliou a agente de saúde.

“Esse hospital vem preencher um grande vazio assistencial que temos há muito tempo na região de Balsas. É um hospital que terá número de leitos satisfatório e, principalmente, número de leitos de UTI necessário, que, com certeza, irá atender à demanda da região, que hoje não é suprida”, informou Eliabe Aguiar, gestor da Unidade Regional de Saúde de Balsas.