.

.

Os dez crimes de maior repercussão nos últimos 30 anos em Imperatriz

Estão na lista dos 10 crimes de maior repercussão em Imperatriz, políticos, padre, advogado, comerciante, pecuarista, empresário, jornalista e professor, destes apenas um não terminou em morte, o sequestro do garoto Pedro Paulo. Os casos aconteceram entre 1986 e 2017.

O primeiro crime teve repercussão até no vaticano. A morte do Padre Josimo Morais Tavares, assassinado no centro de Imperatriz, em 10 maio de 1986, pelo pistoleiro Geraldo Rodrigues da Costa que efetuou três tiros contra a vítima, teve como mandantes fazendeiros do Estado do Tocantins, onde o padre residia.

Na manhã de 06 de outubro de 1993 foi assassinado Renato Cortez Moreira, que na época exercia o segundo mandato como prefeito de Imperatriz. Ele foi morto a tiros no Mercado Bom Jesus, a poucos metros de sua residência.

Dois anos depois aconteceu o sequestro seguido de morte do comerciante Ezir Sousa Leite Júnior, 22 anos. No dia 17 de janeiro de 1995, Ezir foi enforcado e o corpo enterrado em uma cova rasa. Dos sete acusados de envolvimento, um já estava morto.

Três anos depois mais um político foi assassinado. O ex-prefeito, Davi Alves Silva foi morto pelo próprio cunhado, Abraão Ribeiro da Silva. Era 23 de setembro 1998, Davi fazia campanha eleitoral para deputado federal, mas seu destino foi interrompido. O crime aconteceu no pátio do Posto Esplanada, que pertencia ao ex-prefeito. O autor do disparo foi morto por seguranças.

O assassinato do advogado, Waldecyr Rocha, ocorrido em 10 de julho de 2005, foi outro crime de pistolagem. A vítima foi morta dentro do próprio veículo quando estava indo trabalhar, o crime aconteceu em frente à prefeitura de Imperatriz e a poucos metros do Fórum. Até hoje o crime ocupa as páginas policiais. 

O caso do assassinato do pecuarista, Braz Josias Cabrini, morto em 20 de março de 2012, foi o único dos crimes em que todos os envolvidos foram presos. A vítima foi morta mesmo depois de autorizar um saque de R$ 69 mil de sua conta bancária. O mandante do crime foi um fazendeiro. O corpo do pecuarista foi encontrado dias depois, a polícia prendeu os envolvidos no assassinato, Adriano Célio da Silva, Diego Romulo Monteiro, Ronaldo Batista dos Santos e José Helisson Sobrinho, esse último teria sido o mandante.

O sequestro do garoto Pedro Paulo, ocorrido em 22 de junho 2012, terminou com a volta da criança para casa. O menino foi resgatado de um cativeiro no estado do Tocantins. Todos os sequestradores foram presos, o mentor intelectual morreu poucos anos após ter fugido do presídio em São Luís. Pedro Paulo é filho do o empresário Jurandir Mellado.

Entre os mais recentes está o caso do professor Iron Vasconcelos, que completou quatro anos e até agora ninguém foi preso. Iron foi assassinado em em 10 de julho de 2013, na porta de casa, na ocasião ele voltava de um show católico.

José Ribamar Carvalho Filho, 48 anos, foi morto na noite sábado, 29 novembro de 2014, o crime ocorreu na rua Monte Castelo. O cinegrafista foi lembrado por amigos da imprensa, que fizeram manifestação pelas ruas do centro, eles pediam que o policial militar, Jean dos Reis Apinajé, acusado pelo crime, fosse preso.

O crime ocorrido em Imperatriz em que o corpo da vítima mais demorou para ser encontrado foi o do comerciante Pedro Ventura, ele foi morto em Imperatriz no 21 de agosto 2015, mas o cadáver só foi localizado em 15 de janeiro de 2016, em uma cova rasa em uma fazenda entre as cidades de Buritirana e Imperatriz. Célia Ribeiro Teotônio, mulher de Pedro, foi apontada como a principal suspeita do crime.

Antonio Pinheiro- Jornal Correio Popular