Votação na câmara mostrou que prefeito Assis Ramos não tem base de apoio consolidada


A base de apoio ao prefeito Assis Ramos na Câmara de vereadores de Imperatriz, nesta terça feira ficou reduzida a apenas a seis vereadores, mesmo com o pedido do líder do governo Hamilton Miranda, solicitando que os vereadores que dão sustentação ao governo municipal votasse sim ao veto do prefeito, ao projeto do vereador Zeziel Ribeiro, que antecipa a abertura dos portões das escolas meia hora antes. 

Dos 19 vereadores presentes, o prefeito Assis Ramos teve apenas seis votos pelo sim, treze votaram contra o veto do prefeito, lembrando que o voto foi nominal e secreto, a diferença não foi maior porque os vereadores Ricardo Seydel e Fabio Hernandes não estava presentes, esses dois votaram a favor do projeto quando aprovado.

Após a contagem dos votos o presidente Zé Carlos, como diz o regimento, mandou queimar os votos, mesmo assim circulou nos corredores da Câmara uma lista dos seis vereadores que teriam votados a favor do veto, foram eles, Hamilton Miranda, Maura Barroso, Chiquim da Diferro, Alberto Sousa, Eudes e Pimentel, caso se confirme esses nomes, os da bases que votaram contra foram, Paulinho Lobão, Bebe Taxista, Irmã Telma, Terezinha Soares, João Silva, Pedro Gomes, Ditola e Adhemar Freitas Jr.

São considerados vereadores de oposição ao prefeito, Rildo Amaral, Ricardo Seydel, Aurélio do PT e Carlos Hermes, para alguns vereadores que são considerados da base de sustentação ao governo, o que teria feito esses vereadores mudado o voto foi a chegada surpresa do prefeito á Câmara de no momento que o veto estava em discussão.

Assis Ramos entrou no plenário e fez questão de cumprimentar cada vereador, inclusive e de oposição, em contato com o blog o prefeito classificou como resultado normal, segundo o prefeito a câmara tem autonomia, e que não era a primeira vez que ele fazia visita de cortesia a casa de leis. 

Após a derrota o vereador Carlos Hermes subiu a tribuna e disse que o gesto do prefeito foi uma forma de intimidar, ele lembrou que nem na época de Davi Alves Silva, tinha acontecido isso, que saiu em defesa do prefeito na Tribuna foi o vereador Eudes, ele disse que não foi intimidação nenhuma, não é a primeira vez que o prefeito faz uma visita surpresa.