Acusado de homicídio é condenado a 26 anos de prisão


A 1ª Vara Criminal de Imperatriz realizou uma sessão do Tribunal do Júri na qual o réu Elias Peres Araújo foi condenado à pena de 26 anos e três meses de reclusão, acusado de crimes de homicídio e tentativa de homicídio. O julgamento foi na última semana e teve a presidência da juíza Edilza Barros Lopes, titular da unidade judicial. 

Os crimes de Elias Peres foram praticados contra as vítimas Maxiel dos Santos Mendes e Neurisvaldo Alves da Silva. A denúncia relata que na noite do dia 1o de novembro de 2012, em um condomínio do Bairro Vilinha, em Imperatriz, as vítimas estavam ingerindo bebidas alcoólicas com alguns amigos, quando o acusado envolveu-se em uma discussão. Nesse momento, Elias teria dado um tapa na cara de um homem identificado como Wellinngton e Maxiel teria chamado a polícia.

Quando todos se preparavam pra irem embora, Maxiel teria dito que “quando a polícia chega todo mundo fica quieto”, instante em que Elias aproximou-se e desferiu uma facada em Maxiel. Na tentativa de ajudar o amigo que estava sendo esfaqueado, Neurisvaldo Alves foi em direção am agressor, momento em que também teria sido esfaqueado por Elias Peres.

As vítimas foram socorridas e levadas ao hospital, mas Maxiel não resistiu à gravidade dos ferimentos e faleceu. Em seguida, o acusado teria fugido e, segundo informações, estaria na casa de um irmão na cidade de Mucajaí, em Roraima, supostamente usando documentação falsa. 

Destaca a denúncia que as vítimas foram esfaqueadas por motivo fútil, tão somente por um comentário tecido por Maxiel, provocando reação desproporcional de Elias Peres. Ficou comprovado, ainda, que as vítimas não tiveram nem tempo pra defesa, haja vista terem sido atacadas repentinamente pelo acusado.