Kalango, suspeito de assassinar Galim, é executado com sete tiros pistola .40


A Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) ainda não tem pista do executor de Wesley Gonçalves Sousa, 23 anos, morador do Parque Amazonas, região da Grande Cafeteira, conhecido como Calango. Ele tinha passagens pela polícia por vários crimes.

Calango foi executado por volta das 22h de quarta-feira (10) com cerca de sete disparos de pistola .40. De acordo com informações de testemunhas, a vítima estava jogando baralho na porta de casa quando o assassino chegou sozinho em uma moto, desceu e efetuou os disparos. 

Wesley conseguiu correr, sendo alvejado com outros disparos. Após cair cerca de 2 metros dos primeiros disparos, o assassino chegou até o corpo caído e efetuou mais dois tiros na cabeça.

Calango nem chegou a ser socorrido pelo Samu, tendo morrido no local. A viatura do Parque Amazonas esteve no local e fez rondas pelo bairro, mas o suspeito não foi preso. Wesley tinha envolvimento com o tráfico de drogas no bairro. A última vez que tinha sido preso foi pelo crime de tráfico de drogas em 13 de agosto de 2018. Na época, foi preso com várias pedras de crack e uma revólver calibre 38 municiado. Ele também é suspeito de ter assassinado Galim, crime ocorrido em 17 de julho 2018 no Parque Amazonas.