.

.

Comitê de Crise da Agência Nacional de Águas participará de reunião em Imperatriz



Encontro será no auditório do Ministério Público

O agravamento da situação hidro meteorológica e de armazenamento da bacia do Rio Tocantins, trás nesta sexta-feira,1, a Imperatriz para uma reunião de emergência no auditório das  Promotorias de Justiça, os membros do Comitê de Crises da Agência Nacional de  Águas-ANA e da Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia, da Câmara dos Deputados.

A reunião foi confirmada ontem pelo promotor de Justiça Jadilson Cirqueira, titular da Promotoria do Meio Ambiente da Comarca de Imperatriz, segundo informou, a requerimento do deputado federal Deoclides Macedo para que se encontre uma solução para essa que é a maior  seca já enfrentada  nos últimos 50 anos pelo Rio Tocantins. “Uma situação que ameaça, não só Imperatriz, mas todos os municípios da  região banhados pelo Tocantins” ressaltou o representante do Ministério Público.

O próprio Jadilson Cirqueira é quem assina o convite para reunião que deve contar com  a participação de prefeitos,  secretários de meio ambiente,  vereadores, dirigentes de ONGS, estudantes, líderes comunitários e empresariais, além de representantes da Assembléia Legislativa .

O encontro de Imperatriz  decorre de uma teleconferência realizada, direto de Brasília, no Ministério Público,  na qual a situação do Rio Tocantins  foi posta sobre a mesa.  O problema mais grave  a caminho é uma  crise, considerada sem precedentes,  de abastecimento de água nessa região, maior parte atendida pela Companhia de Saneamento do Maranhão-Caema. 

A própria Caema  admite que  se Rio baixar mais 1,5 metros, o que deve ocorrer segundo a Defesa Civil , agora em Setembro, o  sistema operacional  da empresa  poderá entrar em colapso e a cidade pode viver uma  escacêz  do produto, ou entrar mesmo numa situação de  racionamento.  Uma outra confisão pública é que a Caema em  curto e  médio prazos não tem um plano de emergência para atender a população.

“ Lamentavelmente  a Caema nao tem um plano B para uma eventual crise de  falta água. Dessas forma , caso  essa situação  venha se  caracterizar, como já alertou a Defesa Civil,  não nos restará outra alternativa a não ser utilizar  os meus juridicos disponiveis para compelir  a a empresa  a  apresentar uma solução  para o problema”

Compromissos- O promotor Jadilson Cirqueira ressaltou que  ANA até agora, desde a última  teleconferência, tem cumprindo com os compromissos assumidos com a causa do Rio Tocantins  que foram: a criação de um comitê de crise e  a vinda deste comitê a Imperatriz já agendada para o dia Primeiro de Setembro. 

O  órgão também se comprometeu emitir uma nota técnica sobre a situação atual e futura do rio o que se espera depois do dia Primeiro de Setembro.

Assim como na teleconferência, lembra o membro do Ministério Público,  representantes do Operador Nacional do Sistema (ONS)  estarão  presentes  na reunião da próxima sexta-feira.  A ONS é o órgão responsável pela coordenação e controle da operação da geração e transmissão de energia elétrica, que já defende como medida extrema para que a população não venha a sofrer com o desabastecimento de água,  caso a situação não se normalize, a determinação para o desligamento das turbinas das hidrelétricas.