.

.

Operação flagra mototaxistas clandestinos


Agentes de trânsito combatem transporte irregular de passageiros

Dois mototaxistas que operavam clandestinamente o serviço de transporte de passageiros foram retirados de circulação, neste final de semana, após serem flagrados durante fiscalização realizada pelos agentes da Secretaria Municipal de Trânsito, Setran.

De janeiro a setembro deste ano, 1076 veículos irregulares que faziam transporte clandestino foram apreendidos pelos agentes de trânsito nas ruas de Imperatriz. A quantidade superou apreensões realizadas em 2016, quando foram recolhidos 681, aumento de mais de 50%, de acordo com a Setran.

O coordenador de Trânsito, Jerônimo Filho, explicou que os fiscais descobriram na abordagem que as motocicletas tinham sido alteradas a cor original, preta e vermelha para o padrão amarelo, passando-se por mototaxistas padronizados. “É considerada infração gravíssima, inclusive com penalidade de multa e apreensão do veículo a alteração da cor ou característica, de acordo com o artigo 230 do Código de Trânsito Brasileiro”, frisa.

Ele disse que os veículos foram apreendidos e encaminhados ao Instituto de Criminalística do Maranhão, Incrim, para apurar responsabilidades de quem praticou a alteração do veículo, sem autorização prévia do órgão de trânsito, no caso o Departamento Estadual de Trânsito.

Além disso, os agentes de trânsito flagraram equipamentos obrigatórios de segurança ineficientes, pneus sem conservação, lanternas sem funcionamento e piscas queimados. Os veículos não apresentavam condições mínimas de segurança aos passageiros que vinham sendo transportados clandestinamente nessas duas motocicletas.

O secretário municipal de Trânsito, Leandro Braga, diz que os mototaxistas estavam totalmente irregulares, transportando passageiros sem a devida regulamentação, alterando a cor original do veículo para enganar a população e passando por mototaxistas credenciado. “Esse é um tipo de condutor que o usuário não pode confiar, pois temos feito essa fiscalização de maneira intensa desde o começo do ano, visando retirar essas pessoas que operam clandestinamente o serviço de mototáxi”, disse.

Ele lembrou que os autorizados possuem motocicleta na cor amarela com numeração e placa vermelha, além de capacete amarelo com numeração, colete e carteira de identificação.

Motociclistas flagrados podem ser autuados pelo crime de contravenção penal, pelo exercício ilegal da profissão, procedimento que poderá ser encaminhado à Polícia Civil, para consulta de restrições criminais dos suspeitos e também das motos apreendidas. [Gil Carvalho – Ascom/PMI]