PLANEJAMENTO Prefeitura orienta ambulantes e organiza o uso dos espaços públicos no Carnaval


Cerca de 100 trabalhadores do mercado informal foram sorteados para trabalharem no período carnavalesco na Beira Rio

Visando disciplinar atividades de comercialização dos vendedores ambulantes durante o "Carnaval a Gente faz 2019", na avenida Beira Rio, a Prefeitura de Imperatriz, através da Secretaria Municipal de Planejamento Urbano, Seplu, realizou na manhã desta sexta-feira, 1º, o cadastro dos vendedores que desejam trabalhar durante as festividades 

carnavalescas. O setor de Postura da Secretaria de Planejamento Urbano realizou o sorteio de cerca de 100 trabalhadores do mercado informal que irão trabalhar na avenida.  
“Essa é uma forma de democratizar o acesso às vagas, priorizando os que trabalham no local, mas dando oportunidade a outros vendedores. Organizando a localização dos pontos de comércio na avenida e disciplinando o passeio público durante o período de carnaval, afim também de permitir o fluxo dos foliões”, informou Fidélis Uchôa, titular da Seplu, acrescentando que “durante o sorteio não houve interferências, e que “o trabalho foi feito de forma transparente na presença dos interessados”, explicou.


O vereador Antônio Pimentel, PDT, e a secretária de Políticas para Mulher, Edna Ventura, participaram também do encontro com os ambulantes. Além do sorteio, a Seplu e Superintendência Municipal de Proteção e Defesa Civil, Sumpdec, orientaram os vendedores ambulantes sobre os cuidados na utilização dos botijões de Gás Liquefeito de Petróleo, GLP, o chamado gás de cozinha.

“A nossa orientação é que sejam utilizados botijões com regulador de gás. Ele é um produto destinado a reduzir a pressão entre o botijão e o fogão. Dentre esses botijões estão o botijão de gás de cinco quilos, também chamado de botijão P5, e botijão de gás de 13 quilos, conhecido como botijão de gás P13, onde a instalação e manuseio são semelhantes.

Considerando que o gás está sob alta pressão, o regulador é fundamental para reduzir a pressão da chama em até 250 vezes, possibilitando uma chama constante e uniforme”, orientou Araújo Filho, agente da Defesa Civil.